Dicionário Árabe-Português é resultado de 40 anos de trabalho

sex, 19/08/2011 - 13:14

O Monsenhor Alphonse Nagib Sabbagh é um dos maiores estudiosos do árabe do país. Nascido no Líbano, veio para o Brasil em 1957. Criador do Setor de Estudos Árabes da Universidade Federal do Rio de Janeiro, dedicou sua vida à divulgação do idioma e da cultura de seu povo. No início deste ano, lançou o Dicionário Árabe-Português pela editora Almadena, obra na qual trabalhou por quarenta anos. 

Na entrevista abaixo, Monsenhor Alphonse Nagib falou ao ICArabe sobre a importância do idioma árabe, falado por mais de 300 milhões de pessoas, entre outros temas. 

O senhor lançou recentemente o Dicionário Árabe-Português. A qual público se dirige a obra e qual sua importância para o estudo do idioma árabe por falantes de português?

O Dicionário Árabe-Português, em primeiro lugar, se dirige aos leitores das línguas árabe e portuguesa, sem distinção.  Naturalmente, o interesse da cada grupo é diferente, de acordo com as suas necessidades. Além do mais, a língua árabe tem fundamental importância na formação do léxico português e ocupa, também, lugar de destaque como uma língua de cultura, pela qual foram e são veiculados conhecimentos de toda a ordem. Deve-se considerar, também, o grande número de falantes, mais de 300 milhões, e aqueles que usam a língua do Profeta Muhammad, como instrumento litúrgico, cerca de 1 bilhão e 300 milhões de muçulmanos.  A partir desse ponto de vista, os árabes são ampla minoria entre os usuários de seu idioma natal.

Como foi o processo de produção do Dicionário? Quanto tempo o senhor levou neste trabalho? Houve colaborações de outros estudiosos e pesquisadores do idioma árabe?

O Dicionário é uma obra que nasceu naturalmente, decorrente da necessidade de apoio didático para o ensino do árabe na UFRJ.  O trabalho durou 40 anos e contou com o apoio institucional da UFRJ e com a colaboração de professores e de alunos do Setor de Estudos Árabes.  O trabalho lexicográfico não tem fim e nunca é completo. São necessários ajustes, atualizações e, por isso, é importante sua vinculação à uma instituição oficial.

O senhor possui larga experiência acadêmica e é criador do Setor de Estudos Árabes da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Como avalia a forma com que a cultura e o idioma árabes têm sido divulgados no Brasil? 

No mundo contemporâneo, cada vez mais, impõe-se a necessidade do conhecimento do outro.  Os países árabes estão em evidência e presentes nos noticiários diários.  O brasileiro, em geral, tem curiosidade em se aprofundar em questões internacionais, que ocupam as manchetes.  Há, também, uma política de aproximação entre os governos dos países da América do Sul e dos países árabes, em busca de mercados alternativos.  Creio, assim, que há vários motivos para o aumento crescente pelo interesse da cultura árabe no Brasil.

Qual a importância da existência de editoras, institutos e demais organizações voltadas à promoção da cultura árabe no Brasil? 

Eu, que cheguei ao Brasil em 17 de novembro de 1957, em missão religiosa, recebi do Patriarca Melquita Maximus Saiegh a incumbência de divulgar a língua árabe no País.  Fiz o que me foi possível.  Vejo com muita alegria os avanços dos Centros de Estudos Árabes da USP e da UFRJ, produzindo trabalhos de qualidade, que envaidecem qualquer imigrante árabe. 

Com satisfação, constato segmentos editoriais voltados para a publicação da produção acadêmica sobre a língua, a literatura, a cultura árabe e árabe-brasileira. Parabenizo, também, o ICArabe por sua capacidade de difundir a cultura árabe entre os brasileiros, sem partidarismo inócuos, sendo porta-voz dos vários segmentos, que compõem a sociedade árabe no Brasil, possibilitando o diálogo livre, democrático e o debate de ideias.

Gostaria,por fim, de informar, aos interessados na aquisição do Dicionário Árabe-Português, que poderão adquiri-lo, com significativo desconto, pelo site: www.almadenaeditora.com