Nadador sírio da Equipe Olímpica de Refugiados estreia nesta terça-feira, 9, na Rio 2016

seg, 08/08/2016 - 11:10
Publicado em:

A partir das 13 horas desta terça-feira (09/08), o nadador sírio Rami Anis – da Equipe Olímpica de Atletas Refugiados – participa da disputa dos 100 metros livres na piscina do Estádio Aquático Olímpico, localizado no Parque Olímpico da Barra da Tijuca.

Rami será o segundo refugiado da equipe a competir na natação. No último sábado, a também síria Yusra Mardini disputou os 100 metros nado borboleta, mas não conseguiu se classificar. Nesta semana acontecerão outras competições dos integrantes da Equipe Olímpica de Atletas Refugiados, no  judô, atletismo e natação.

Rami começou a treinar oficialmente para natação quando tinha 14 anos, em Alepo. Mas a guerra na Síria o forçou a deixar seu país e ele hoje vive na cidade belga de Ghent, onde tem treinado extensivamente com a ex-nadadora olímpica Carine Verbauwen.

A Equipe Olímpica de Atletas Refugiados é uma iniciativa do Comitê Olímpico Internacional que conta com o apoio da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR). As duas organizações atuam juntas há mais de 20 anos, promovendo os esportes como uma ferramenta de desenvolvimento e bem-estar dos refugiados, particularmente em relação às crianças.

Nos Jogos Olímpicos Rio 2016, dez refugiados de quatro diferentes países integram a equipe, sendo dois nadadores sírios, dois judocas da República Democrática do Congo e seis corredores africanos – um da Etiópia, maratonista, e cinco do Sudão do Sul. Todos eles deixaram seus países devido a conflitos, perseguições e violações dos direitos humanos, e encontraram refúgio na Alemanha, Bélgica, Brasil, Luxemburgo e  Quênia.

A cobertura do ACNUR está sendo divulgada nos sites www.acnur.org.br e www.unhcr.org e em outros canais.