Morre Violeta Jafet, matriarca do Hospital Sírio-Libanês

ter, 27/12/2016 - 21:36
Publicado em:

Presidente honorária da Sociedade Beneficente de Senhoras do Hospital morreu na segunda-feira (26), em sua casa, na capital paulista. Ela tinha 108 anos.


Violeta Jafet, presidente honorária da Sociedade Beneficente de Senhoras do Hospital Sírio-Libanês, morreu na segunda-feira (26), em sua casa na capital paulista, aos 108 anos.

Violeta, tia-avó do diretor cultural do ICArabe, Arthur Jafet, era filha de Adma Jafet, idealizadora do Hospital Sírio-Libanês que morreu em 1956. Foi Violeta quem inaugurou oficialmente o hospital, no dia 15 de agosto de 1965, sob a direção do médico Daher Cutait.

"Minha mãe era muito inteligente, estava cem anos à frente", afirmou Violeta, durante um evento em homenagem à Adma, em 2006. "Conseguimos materializar um grande ideal, ajudar crianças carentes que não possuíam meios de se tratar. Eu faria tudo de novo", disse durante o evento, sobre o trabalho feito pelo hospital que fundou.

Em 2011, Violeta foi homenageada pela Câmara de Comércio Árabe Brasileira (na foto), pelo Dia da Imigração Árabe (25 de março), junto ao cardiologista Adib Jatene, ex-ministro da Saúde.

Na ocasião, Violeta destacou que a comunidade árabe no Brasil era formada por “muitos trabalhadores honestos”. “Não devemos pensar em sírios e libaneses, devemos pensar na fraternidade. Deus é um só e devemos nos unir”, declarou.

Em nota, a direção do Hospital Sírio-Libanês afirmou que “Violeta teve atuação essencial para que o Hospital Sírio-Libanês se transformasse em uma das referências na área da saúde, como forma de retribuir à sociedade brasileira a maneira como acolheu os imigrantes sírios e libaneses que haviam chegado ao país”.

O sepultamento foi realizado nesta terça-feira, 27, às 15h, no Cemitério da Consolação (Rua da Consolação, 1.660 – Consolação).