Egito reabre Pirâmide de Unas

qua, 15/06/2016 - 23:26
Publicado em:
O Egito reabriu em maio a Pirâmide de Unas para visitação pública, após 20 anos fechada. O monumento localizado na necrópole de Saqqara, próxima ao Cairo, é famoso por ser o primeiro a conter textos funerários entalhados em suas paredes internas, conhecidos como Textos da Pirâmide. Antes, o interior destes túmulos faraônicos não continha incrições, como são os casos das três grandes pirâmides de Giza, localizadas também nas proximidades da capital egípcia.

As inscrições descrevem rituais, orações e cânticos destinados a guiar o rei morto em seu caminho para o outro mundo. Unas foi o último monarca da 5ª dinastia faraônica do Egito, durante o chamado Reino Antigo. Ele reinou por cerca de 30 anos no século 24 a.C.

O sítio fica próximo ao monumento mais famoso de Saqqara, a pirâmide em degraus de Zoser, considerada a primeira pirâmide do Egito. Por fora, o túmulo de Unas chama pouca atenção, pois está em ruínas, as verdadeiras atrações estão no interior do complexo mortuário, as inscrições entalhadas, o teto que reproduz um céu de estrelas e outras obras de arte pintadas ou esculpidas nas paredes.

O padrão inaugurado por Unas foi seguido por faraós posteriores e Saqqara reúne outros túmulos decorados de maneira semelhante. As inscrições da Pirâmide de Unas foram descobertas pelo arqueólogo francês Gaston Maspero, em 1881.

Segundo informações do site do jornal egípcio Al Ahram, o sítio foi fechado à visitação em 1996 porque o alto nível de umidade estava afetando as paredes da câmara funerária do monumento.

O diário acrescenta que foram instalados equipamentos para monitorar e controlar a umidade e a temperatura dentro da pirâmide. Na cerimônia de reabertura, que contou com o ministro das Antiguidades do Egito, Khaled El-Enany, os convidados acenderam velas e fizeram uma vigília em homenagem aos 66 mortos na queda do avião da EgyptAir que voava de Paris ao Cairo em 19 de maio.

Ainda segundo o jornal, a reabertura da Pirâmide de Unas faz parte de um pacote do governo que prevê a abertura de outros sítios arqueológicos com o objetivo de estimular o turismo no país, afetado fortemente depois da queda de um avião russo em 2015 no Sinai e do vôo da EgyptAir.