Refugiada síria conduz hoje a tocha olímpica em Brasília

ter, 03/05/2016 - 16:26
Publicado em:
Uma refugiada síria que vive no Brasil desde o ano passado conduzirá a Tocha Olímpica logo mais, em Brasília. Hanan Daqqah, de 12 anos de idade, está entre os dez primeiros condutores da Tocha Olímpica. O revezamento da Tocha se inicia às 10hs de hoje, na Esplanada dos Ministérios (Brasília, DF). Hanan será a sexta pessoa a conduzir a Tocha.  

Ela foi escolhida pelo Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos Rio 2016 a partir de uma sugestão da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) no Brasil, e participa do revezamento no primeiro dia da Chama em solo brasileiro. O revezamento se inicia após o fim da cerimônia prevista para o Palácio do Planalto.

A condução da Tocha Olímpica por uma menina refugiada é um gesto simbólico de solidariedade com os refugiados do mundo, em um momento que milhões de pessoas fogem de guerras, conflitos e perseguições. Em todo o mundo, existem cerca de 20 milhões de refugiados – o maior número desde o fim da II Guerra Mundial.

A Chama Olímpica do Jogos do Rio 2016 foi acesa no dia 21 de abril na cidade grega de Olímpia, berço dos jogos olímpicos. No dia 26 de abril, o refugiado sírio Ibrahim Al-Hussein conduziu a Tocha Olímpica no acampamento de Eleonas, em Atenas (também na Grécia). 

No Brasil, o revezamento da tocha se prolongará por cerca de 90 dias. Sua viagem terminará com a cerimônia de inauguração dos Jogos Olímpicos do Rio, no dia 05 de agosto, no Estádio Maracanã, onde a Pira Olímpica será acesa.

Hanan vive com sua família em São Paulo e chegou ao Brasil em 2015. Ela mora em um pequeno apartamento no centro da cidade com seu pai, mãe, um irmão mais velho e uma irmã mais nova, juntamente com os tios e outros quatro primos. Totalmente integrada no Brasil, ela estuda em uma escola pública próxima da sua casa, fala português fluentemente e possui vários amigos brasileiros.

Ela e sua família vivam na cidade de Idlib, no nordeste da Síria. Com o início da guerra civil na Síria, sua cidade tornou-se um dos palcos do conflito, em meio a disputas de forças governamentais e grupos rebeldes. Sem segurança para permanecer na Síria, Hanan e sua família deixaram o país e buscaram refúgio na Jordânia. Neste país, viveram por dois anos e meio no campo de refugiados de Za'atari, onde o acesso à água exigia uma longa caminhada e as condições eram difíceis.

A família decidiu deixar a Jordânia e chegou ao Brasil por meio do programa de vistos especiais do Governo Federal, que facilita a entrada no país de pessoas afetadas pelo conflito na Síria. Cerca de 8 mil destes vistos especiais já foram emitidos pelas autoridades brasileiras. Hanan e sua família foram reconhecidos como refugiados e agora reconstroem sua vida em São Paulo. A mãe de Hanan está grávida, e em breve ela terá uma irmã brasileira – que nasce no final deste mês.

A guerra na Síria já provocou mais de 4,8 milhões de refugiados, que vivem principalmente nos países vizinhos ao conflito. No Brasil, existem cerca de 8.700 refugiados, sendo que mais de 2.000 são sírios – formando o maior grupo dentro desta população, de acordo com o país de origem.