ICArabe marca presença no "I Fórum sobre imigrantes e refugiados no Brasil", promovido pela Fambras

sex, 22/09/2017 - 01:40

 

O presidente do ICArabe, Mohamed Habib, integrou a abertura do evento, que aconteceu nesta quarta-feira, em São Paulo. Instituto foi um dos apoiadores da iniciativa.

O ICArabe esteve presente, na quarta-feira, 20 de setembro, no encontro “E onde eu fico? -I Fórum sobre Imigrantes e Refugiados no Brasil”, promovido pela Federação das Associações Muçulmanas do Brasil – Fambras, com o apoio do Instituto. O presidente do ICArabe, Mohamed Habib, participou da cerimônia de abertura do encontro.
  
Com espaços para a participação do público o Fórum discutiu as políticas públicas no país e a importância das entidades sociais, bem como a exposição na mídia e o impacto da crise dos refugiados. 

O Fórum foi dividido em dois painéis para os quais foram convidados professores, advogados, representantes de entidades, jornalistas e ativistas. Os temas abordados incluíram: políticas públicas no Brasil, a nova lei de migração, papel das entidades sociais e a responsabilidade da mídia no cenário dos imigrantes e refugiados.
Durante todo o evento, os participantes interagiram com os palestrantes e compartilharam opiniões a respeito dessa questão. No intervalo dos painéis, puderam conferir a exposição “Infância Refugiada”, da artista Karine Garcêz, e também desfrutaram de novas culturas durante a feira de artesanato formada entre as mesas de culinária síria e congolesa, produzidas por refugiados.

coral

O Fórum teve momentos de muita emoção, como o depoimento da refugiada apátrida, Maha Mamo, que contou sua trajetória e a apresentação do Coro Infantil “Coração Jolie”, composto por crianças refugiadas.

Maha, que passou a ser considerada pela ONU “cidadã do mundo”, ressaltou que gosta de falar sobre suas experiências porque não se vê na mídia pessoas falando sobre o sofrimento dos apátridas. “Eu gostei do evento. O público foi muito diverso, muitas pessoas precisam ouvir o que nós temos para falar, para que eles lembrem que a gente existe. Pois, além de refugiada, eu sou apátrida e a maioria dos brasileiros nem sabem o que é apátrida. Somos 10 milhões no mundo e ninguém sabe, se não for falado, ninguém vai saber”.

maha
Maha Mamo homenageada pelo presidente do ICArabe, Mohamed Habib

 

Ao final da cerimônia, com o apoio de todos os palestrantes presentes, foi apresentada a Carta em defesa à Lei de Migração, com o objetivo de atentar as autoridades brasileiras para novas ações em prol dos imigrantes e refugiados no país.

O vice-presidente da Fambras, Ali Hussein El Zoghbi, falou sobre a importância  do evento no debate sobre as questões envolvendo os refugiados. “A Fambras pensou em organizar e estar à frente desse evento tendo em vista a situação preocupante em que os refugiados se encontram. Como uma entidade brasileira, acreditamos que seja nosso compromisso ter uma atitude de responsabilidade social, trazendo pessoas importantes para debater o tema”, ressaltou. “Do ponto de vista da nossa religião, o islamismo, esta é uma premissa básica do Islã: lutar pela dignidade do ser humano.”

Ele frisou ainda que o evento tem como característica buscar soluções para os refugiados, principalmente os que estão em uma situação fragilizada, para que possam ser respeitados e ter seus direitos atendidos. “Por conta disso estamos aqui hoje. Temos parceiros importantes em todos os projetos, como por exemplo, o ICArabe que tem personalidades importantes, acadêmicos, professores, jornalistas e do seu escopo de sócios. O Professor Habib, presidente do ICArabe, que colocou-se a disposição e apoiou desde o primeiro momento esse evento.”
 
O presidente do ICArabe, Mohamed Habib, destacou a importância de lidar com o tema e discuti-lo. “O tema refugiado está abalando o mundo inteiro, os refugiados árabes, sírios, iraquianos e africanos encontram-se aqui no Brasil. A questão chamou atenção da Fambras, do ICArabe e de outras entidades que estão aqui para discuti-la. A importância do evento está relacionada com a questão de como lidar com os refugiados, não só no Brasil, mas no mundo inteiro. O tema é muito sério. Precisamos humanizar o mundo para saber lidar com a questão dos refugiados, trata-se da dignidade humana. A questão dos refugiados é diferente da questão dos imigrantes. O imigrante escolheu ser imigrante, o refugiado não fez essa escolha. Ele correu todos os riscos em ir para outro país, é a luta pela sobrevivência”, finalizou Habib.  

Além do ICArabe, foram parcerios do evento a TV Globo, o Alto Comissariado das Nações Unidas (ACNUR), o Governo do Estado, a Prefeitura da Cidade de São Paulo e a ONG IKMR.