Palestinos agredidos e presos em protesto realizado por grupos xenófobos são liberados pela Justiça

qui, 04/05/2017 - 15:49
Publicado em:

 

Os palestinos Hasan Zarif, proprietário do bar e espaço cultural Al Janiah, e Nour Alsayyd, além de dois brasileiros, agredidos e presos durante manifestação de grupos xenófobos contra a nova Lei de Imigração, na Avenida Paulista em São Paulo, na última terça-feira (2), foram liberados pela Justiça na tarde de quarta-feira (3), após passarem por audiência de custódia no Fórum Criminal da Barra Funda, na zona norte. O bar e espaço cultural Al Janiah, no bairro do Bixiga, é conhecido por realizar atividades em favor da causa palestina e pelos direitos humanos.

O grupo foi acusado de explosão, lesão corporal, associação criminosa e resistência, enquanto os que se posicionam contra imigrantes seguiram em liberdade. A página no Facebook do grupo “Direita São Paulo”, responsável pela “Marcha Contra a Lei da (I)Migração” afirma ter sofrido um ataque do “terrorismo árabe”.

“Estamos em um Estado de Exceção?”, questionou o membro da Frente em Defesa da Luta do Povo Palestino e presidente da Associação Islâmica de São Paulo, Mohamed El Kadri, 55, presente no fórum. “O outro lado teve todas as regalias e possibilidades. Foram ouvidas testemunhas do lado deles e não do nosso. É o racismo puro sendo apoiado pelas instituições”, denunciou.

“Isso é muito preocupante, em pleno século XXI, ter pessoas que tem a coragem de expor seu pensamento racista livremente”, afirmou a diretora de comunicação do ICArabe, Soraya Misleh, também presente. “A absurda criminalização de árabes e muçulmanos faz parte de estereótipos que lutamos para desconstruir. Crime é xenofobia e racismo”, declarou.

Mãe de um dos brasileiros detidos, Cleide Aparecida, 35, afirmou que o seu filho jamais faria ataque violento. “O Roberto é o dito ‘nerd retraído’. Ele presta serviços comunitários para pessoas que não tem condições”, defendeu. “Meus clientes foram vítimas, eles não são agressores, são as vítimas verdadeiras. Esses grupos que os atacaram estão fora do escopo democrático de direito”, disparou o advogado Hugo Albuquerque.

Nova lei da imigração

Atualmente, aguarda sanção do governo a chamada Lei da Migração, que estabelece direitos e deveres do imigrante, a igualdade de oportunidades entre brasileiros e imigrantes e a instituição de um visto humanitário, ao invés do provisório. 

A audiência de custódia determinou o relaxamento dos flagrantes dos brasileiros. Já Hasan e Nour terão de cumprir medidas cautelares enquanto corre inquérito policial.

 

Leia também:

Ato anti-imigração na Paulista foi contra a lei, dizem especialistas