Diretor de Theeb, filme jordaniano que concorre ao Oscar e integrou a Mostra Mundo Árabe de Cinema, diz que o Brasil influenciou sua obra

qua, 24/02/2016 - 23:23
Publicado em:

Leia a entrevista exclusiva com o britânico de origem jordaniana Naji Abu Nowar.O filme jordaniano Theeb (assista ao trailer), que estreou no Brasil em 2015 na 10ª Mostra Mundo Árabe de Cinema do ICArabe, concorrerá, neste domingo, 28 de fevereiro, ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. A produção, a primeira da Jordânia na competição, retrata a história de dois irmãos órfãos, Hussein e Theeb, que vivem em 1916 como nômades na região da província de Hejaz, que fica no oeste da atual Arábia Saudita. Um oficial britânico pede aos irmãos para ajudá-lo a encontrar uma região estratégica para o Império Otomano. Os caminhos, contudo, se revelam perigosos e traiçoeiros. Theeb concorrerá na categoria com  “Cinco graças” (França), “Embrace the serpent” (Colômbia), “O filho de Saul” (Hungria) e “A war” (Dinamarca).

Em entrevista exclusiva ao ICArabe, o diretor britânico de origem jordaniana Naji Abu Nowar falou sobre a experiência das filmagens e revelou a influência que o cinema brasileiro tem em seu trabalho: “O Brasil esteve muito no coração de Theeb". Confira a entrevista:

ICArabe - Você passou um ano no deserto, vivendo e observando os costumes da última tribo beduína nômade na Jordânia. Como você descreveria essa experiência?

Naji Abu Nowar - Foi uma experiência extremamente rica e surpreendente à  produção do filme era necessário viver com as tribos nômades , saber sobre seu estilo de vida e conhecer seu modo de viver e falar , além de seu apoio como uma referência chave para todo o filme . Beduínos , que nunca estiveram na frente de uma câmera , foram estrelar o filme, o que tornou a experiência ainda mais próspera. Nós os inserimos numa oficina de atuação até que eles estivessem aptos a representar seus papéis no filme. Theeb foi uma experiência agradável de ter.

ICArabe - Como surgiu a ideia de contar a história pelos olhos de Theeb, o que dá ao filme a beleza da inocência enfrentando o desconhecido?

Naji Abu Nowar - Esta é uma parte do que eu queria que o público sentisse: o espectador vê Theeb como uma criança que enfrenta uma aventura difícil para um homem adulto. Então, que efeito teria sobre um jovem rapaz? Esta aventura transformou Theeb, de uma criança inocente em um jovem adulto, mas o que ele passou pra tornar-se este jovem exigiu de mim ver o mundo a partir de sua perspectiva, o que era, ao mesmo tempo, difícil e agradável. E isso engajou o público, que simpatizou com ele ainda mais.

ICArabe - Theeb parece se passar durante um período de mudança radical no Oriente Médio, cujos impactos ainda são profundamente sentidos nessas regiões. Como seu filme reflete sobre a situação atual?

Naji Abu Nowar - Os acontecimentos políticos que ocorrem no filme neste período são totalmente considerados como uma experiência humana, muito distante de uma dimensão política. Eu acredito que a história do filme pode ter acontecido em qualquer época.

ICArabe - Como o cinema impacta ou ajudar os momentos históricos que os países árabes têm vindo nos últimos anos?

Naji Abu Nowar - A cinematografia é uma das artes que reflectem a realidade tal como é, consequentemente, torna-se uma das ferramentas históricas. Seja em ficção ou documentário, estamos contando a história do que acontece hoje em dia e que deveria estar marcando esta época. As próximas gerações devem poder assistir e se beneficiar dessas produções.

ICArabe - Como você vê os acontecimentos sociais e políticos dos últimos anos no mundo árabe? Ainda há esperança para as ideias da primavera Árabe?

Naji Abu Nowar - Nós todos sabemos que a situação atual é perturbadora e não muito clara no mundo árabe, mas eu sou um otimista natural e cheio de esperança para uma virada a uma situação melhor.

ICArabe - E sobre a situação dos refugiados árabes que buscam uma nova vida na Europa?

Naji Abu Nowar - Eu não estou em seu lugar para julgar, mas do ponto de vista humano, desejo-lhes a estabilidade e a paz em qualquer pedaço de terra.

ICArabe - Qual sua opinião sobre o diálogo que filmes árabes estão estabelecendo com as produções latino-americanas? Você vê elementos comuns entre os dois cinemas?

Naji Abu Nowar - Naturalmente, porque somos todos humanos e há muito em comum entre as nossas culturas. Sou grande fã do cinema latino-americano.

ICArabe - Você acompanha o cinema brasileiro? Conhece alguns de nossos filmes ?

Naji Abu Nowar - Nós estudamos o trabalho de atuação da professora Guti Fraga para suas oficinas em “Cidade de Deus”. Suas técnicas são uma grande influência sobre nosso filme . Também conheço o trabalho de Augusto Boal e suas técnicas de oficina de preparação. Assim, o Brasil esteve muito no coração de Theeb.

ICArabe - Você está produzindo atualmente um novo filme? Você poderia nos dizer algo sobre seu novo trabalho?

Naji Abu Nowar - Estou trabalhando em uma sequência para Theeb, que se passaaé definido mais ou menos dez anos mais tarde . Vai ser minha resposta para filmes como “Sete Samurais" ou “Zulu” .

 

A Mostra Mundo Árabe de Cinema

A Mostra Mundo Árabe de Cinema, que teve sua décima edição em 2015, tem se destacado por garimpar preciosidades do cinema árabe contemporâneo e consagrando-se como evento internacional. Saiba mais aqui.

Leia crítica sobre o filme. 

Conheça o filme brasileiro “O Menino e o Mundo”, que concorre ao Oscar de animação. Acesse aqui.