Egito descobre cidade de ouro perdida de mais de 3 mil anos

qui, 15/04/2021 - 21:25
Publicado em:

 

O arqueólogo egípcio Zahi Hawass comanda a missão que descobriu a cidade de três mil anos em Luxor, do reinado de Amenhotep III e também usada por Tutancâmon e Ay. De acordo com os arqueólogos, essa é a maior descoberta arqueológica do Egito desde a década de 1920.

O Egito anunciou que uma missão comandada pelo arqueólogo egípcio Zahi Hawass descobriu uma cidade perdida sob as areias há três mil anos em Luxor. Apelidada de ‘cidade de ouro perdida’, a descoberta foi divulgada na última semana. A cidade também chamada de ‘A Ascensão de Aton’ data do reinado de Amenhotep III e continuou a ser usada por Tutancâmon e Ay. Amenófis III, ou em egípcio antigo Amenhotep III, foi um faraó da 18ª dinastia egípcia. Luxor fica no Sul do Egito, a 500 quilômetros do Cairo. A notícia é do jornal egípcio Al Ahram.

De acordo com os arqueólogos, essa é a maior povoação urbana já localizada e a maior descoberta arqueológica do Egito desde a década de 1920, quando a tumba de Tutancâmon foi encontrada praticamente intacta. “Muitas missões estrangeiras procuraram esta cidade e nunca a encontraram. Começamos nosso trabalho procurando o templo mortuário de Tutancâmon porque os templos de Horemheb e Ay foram encontrados nesta área”, disse Hawass ao jornal egípcio.

Fundada por um dos maiores governantes do Egito, o nono rei da 18ª dinastia, Amenhotep III governou o Egito de 1391 a 1353 a.C. A cidade estava ativa durante a co-regência do grande rei com seu filho, o famoso Amenhotep IV, também conhecido como Aquenáton. A expedição egípcia ficou surpresa ao descobrir a maior cidade já encontrada no Egito, que foi também o maior assentamento administrativo e industrial da era do império egípcio na margem ocidental de Luxor.

“As ruas da cidade são ladeadas por casas; algumas de suas paredes têm até três metros de altura, podemos revelar que a cidade se estende a oeste, até o famoso Deir El-Medina”, disse Hawass.

A área de escavação está imprensada entre o templo de Ramsés III e o templo de Amenhotep III. A missão egípcia começou a trabalhar nesta área em busca do Templo Mortuário de Tutancâmon.  A escavação começou em setembro de 2020 e, em poucas semanas, para grande surpresa da equipe, formações de tijolos de barro começaram a aparecer em todas as direções. O que desenterraram foi o sítio de uma grande cidade em bom estado de conservação.

Leia também:

Uma ampla gama de achados arqueológicos como anéis, escaravelhos, vasos de cerâmica colorida e tijolos de barro com os selos da cártula do rei Amenhotep III confirmaram a idade da cidade.

Depois de apenas sete meses de escavação, várias áreas ou bairros foram descobertos. Na parte sul, a missão encontrou uma padaria, uma área de cozinha e preparação de alimentos, com fornos e armazenamento de cerâmica. Pelo seu tamanho, pode-se afirmar que a cozinha atendia a um grande número de operários e empregados.

A segunda área, ainda parcialmente descoberta, é o distrito administrativo e residencial, com unidades maiores e bem organizadas. Esta área é cercada por uma parede em ziguezague, com apenas um ponto de acesso que leva a corredores internos e áreas residenciais. A entrada única parece se tratar de uma espécie de medida de segurança, com a possibilidade de controlar a entrada e saída de zonas fechadas. A parede em ziguezague é um dos raros elementos arquitetônicos da arquitetura egípcia antiga, principalmente usada no final da 18ª dinastia.

A terceira área é uma oficina. De um lado, a área de produção de tijolos de barro usados ​​para construir templos e anexos. Os tijolos têm selos com a cártula do rei Amenhotep III. Do outro, um grande número de moldes de fundição para a produção de amuletos e delicados elementos decorativos. Esta é mais uma evidência da extensa atividade na cidade para produzir decorações para templos e tumbas.

Em todas as áreas escavadas, a missão encontrou muitas ferramentas usadas em algum tipo de atividade industrial, como fiação e tecelagem. Escória de metal e vidro também foi desenterrada, mas a principal área dessa atividade ainda não foi descoberta.

Dois sepultamentos incomuns de uma vaca ou touro foram encontrados dentro de um dos quartos. Uma das descobertas mais recentes é um recipiente contendo dois galões de carne seca ou cozida com uma inscrição valiosa: Ano 37, carne preparada para o terceiro festival Heb Sed do matadouro do curral de Kha, feita pelo açougueiro luwy. Ao norte do assentamento, um grande cemitério foi descoberto, cuja extensão ainda não foi determinada.  O trabalho está em andamento e a missão espera descobrir tumbas intocadas cheias de tesouros.

jo

vasos