Sírio do Bem: um projeto de solidariedade liderado por mulher de origem palestina

dom, 13/03/2022 - 23:08
Publicado em:

 

Neste ano, o Sírio do Bem, que integra o Departamento de Filantropia do Esporte Clube Sírio, completa 4 anos de muito trabalho em prol das pessoas mais vulneráveis. A iniciativa tornou-se realidade pelas mãos de Rita de Cassia Halti, filha de palestino e diretora do núcleo.

Em entrevista ao Portal ICArabe, Rita conta como foi o nascimento o projeto que desenvolveu após uma série de situações, em um período de dificuldade, que a fizeram olhar a vida de forma mais solidária e humanitária.

Em 2018, Rita de Cassia era coordenadora da “Roda de Conversa”, que reunia os sócios do Esporte Clube Sírio para uma oficina de sentimentos. O grupo trocava ideias e refletia sobre diversos temas. À época, ela havia recebido um vídeo que mostrava crianças diagnosticadas com câncer, o que a deixou sensibilizada.

Neste mesmo período, ela sofreu um grave acidente de carro que quase tirou sua vida. “Após a recuperação, decidi que ia voltar a fazer um trabalho voluntário. Desde criança sempre quis auxiliar o próximo e, ao longo dos anos, sempre desempenhei diversas atividades solidárias, como doação de roupas e trabalho para a ressocialização de pessoas em situação de rua”, conta.

Rita solicitou ao então presidente do Esporte Clube Sírio, Fábio Kadi, autorização para realizar um projeto de sua autoria chamado “Peruca dos Sonhos”, um trabalho voluntário de confecção e entrega de perucas lúdicas de lã para crianças em tratamento oncológico nos hospitais da cidade São Paulo.

O sucesso da iniciativa foi tanto que em seguida foi criado o Departamento de Filantropia do Esporte Clube Sírio, nomeado Sírio do Bem.  "Vejo a filantropia como uma tendência global e é muito importante um clube ter um setor filantrópico para que possa colaborar com vários segmentos, como saúde, educação e assistência social”, explica a diretora.

Hoje, o Sírio do Bem promove campanhas e ações sociais para auxiliar crianças, jovens e adultos e pessoas em situação de rua. São 70 voluntárias associadas e não associadas ao clube, que atuam no projeto que já atendeu a mais de 30 mil pessoas. O departamento já promoveu campanhas de doação de sangue, alimentos, agasalhos e cobertores, produtos de limpeza, produtos de higiene pessoal e kits de maquiagem. O voluntariado também faz doações de roupas e calçados, para que sejam vendidos no Bazar da Associação Amparo Maternal.

As doações são entregues aos hospitais, asilos e a casas de apoio à mãe solteira. Os cobertores são doados para pessoas em situação de rua. As voluntárias já confeccionaram cerca de 30 mil peças de tricô e crochê, como perucas, colchas, cachecol, mantas, sapatinhos, coletes, e 13.500 máscaras de proteção, que passam por um rigoroso controle de qualidade, que são devidamente embaladas e doadas para as instituições. As perucas lúdicas são doadas juntamente com as máscaras e um cartão com mensagem motivacional. O clube também ajuda o Projeto Rapunzel, arrecadando cabelos naturais para confecção de perucas.

“O trabalho é referência para outros clubes, que vieram conhecer nosso projeto e se basearam nele para criar seus departamentos de filantropia. Recebemos doações de pessoas que moram em São Paulo e em outros estados do Brasil”, conta Rita, que foi convidada para falar sobre solidariedade e filantropia em universidades como a FMU e a Unisa.

doações

 
Superação e solidariedade:

A história da família de Rita é marcada por imigração, oportunidade, crescimento, superação e solidariedade. 
Sua avó paterna nasceu na cidade de Lida, na Palestina. Veio para o Brasil ao ficar viúva aos 28 anos, com sete filhos pequenos, pois um irmão dela já residia no estado do Paraná. Após um tempo, a família mudou-se para São Paulo. Na ocasião, eles começaram a vender roupas e criaram a sua primeira fábrica de confecção de camisas no bairro da Lapa, na região Oeste de São Paulo. A mudança de vida veio por meio do crescimento do trabalho e o acolhimento que receberam no Brasil. Rita conta que sempre observou o trabalho de sua família e principalmente a troca entre eles e os brasileiros.

“Meu pai formou-se engenheiro, conheceu a minha mãe, que é brasileira, por intermédio de amigos. Eles casaram tiveram duas filhas, eu e minha irmã. Já os meus tios continuaram no comércio e puderam criar muitas oportunidades de emprego para os brasileiros”, afirma Rita de Cassia

Hoje, além do trabalho no Clube Sírio, Rita também é representante da Palestina no Conselho Estadual Parlamentar de Raízes e Culturas Estrangeiras da Assembleia Legislativa de São Paulo (CONSCRE) e estudante de Psicologia.

A diretora se diz realizada com o trabalho do Sírio do Bem, pois sempre quis retribuir a oportunidade que sua família recebeu no Brasil. “Os valores da solidariedade são passados de geração a geração e ensinei aos meus quatro filhos a importância de servir ao próximo”, ressalta. Ela conta que, quando eles eram pequenos, os ensinou a separar roupas e calçados e saiam pelas ruas de São Paulo para fazer a doação.

"Sou muito grata ao Brasil e ao seu povo que tanto acolheu os meus familiares. Hoje, meu filho Adib realiza um trabalho de evangelização das pessoas e faz doações de alimentos e cobertores pelas ruas de São Paulo. O Leonard trabalha comigo no Sírio do Bem, participa das entregas das nossas doações e é responsável pelo almoxarifado do departamento", conta, orgulhosa.

Rita frisa a importância da filantropia. Em sua visão, o projeto não só beneficia quem recebe ajuda, mas também cada voluntário, seja na parte mental e emocional, seja na física. “O supérfluo para um pode ser extremamente necessário para o outro e uma ação dessas pode mudar a vida de todos. O trabalho solidário é necessário para pessoas de baixa renda ou em situação de rua. Para os voluntários, pode evitar solidão e depressão, por exemplo. Libera ocitocina, que é o hormônio do prazer, o prazer de estar servindo ao próximo. Por que não se colocar no lugar do outro? Por que não ajudar aquele que necessita? A vida é uma troca e devemos ser gratos”.


Voluntariado e Doações:

Quem quiser ser um voluntário do Sírio do Bem pode entrar em contato com a secretaria do Clube Sírio pelo telefone (11) 2189-8500 ou email  contato@sirio.org.br. Mais informações no site https://www.sirio.org.br/

 

Campanha SOS Petrópolis

No mês de fevereiro, o Sírio do Bem lançou a Campanha SOS Petrópolis, que visa auxiliar as vítimas das enchentes, deslizamentos e alagamentos que vem ocorrendo na cidade de Petrópolis, na região serrana do Rio de Janeiro. A iniciativa está arrecadando água, material e produtos de limpeza, cobertores e alimentos não-perecíveis, de 21 fevereiro a 30 de março.

 

Projeto Bunekas

O Sírio do Bem deu mais um passo importante em seu trabalho de filantropia e atuará em parceria com o projeto Bunekas, destinado às crianças africanas vítimas de abuso. Criado no município de Jundiaí (SP), o projeto já confeccionou por volta de 60 mil itens, que foram entregues para 15 países africanos, além do Haiti, da Jordânia e do Brasil. As bonecas são usadas pelos missionários no tratamento psicológico destinado às crianças.

"O Sírio do Bem abraçou mais essa causa, as voluntárias farão bonequinhas com características e vestimentas africanas para maior identificação das meninas no tratamento das emoções. Após a confecção, as bonecas serão entregues ao projeto Bunekas e disponibilizadas para as crianças africanas", finaliza a diretora

Para fazer uma doação, basta entregar na sede do Esporte Clube Sírio, que fica localizado na Av. Indianópolis, 1192.

O Clube Sírio também aceita doações de fraldas, leite, mucilon, máscaras, aventais descartáveis, luvas em caixas fechadas e lã 100% acrílica - que são utilizadas para fazer sapatinhos, meias e casaco para as crianças.

bu