Mostra Palestina: vida e sangue - Campinas (SP)

ter, 27/04/2010 - 10:22
Publicado em:
0 comments

A mostra “Palestina: vida e sangue”, que inclui cinema e fotografia, dá início à programação de atividades do Instituto da Cultura Árabe (ICArabe), que nesse ano está inteiramente dedicada à celebração dos cinco anos da entidade. A exposição, realizada em parceria com a Pró-reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), ocorre de 29 de abril a 14 de maio, no Espaço Cultural Casa do Lago, localizado no campus daquela instituição.

Ao todo serão exbidos dez filmes, entre longas e curtas-metragens de ficção e documentários, além das exposições fotográficas “Retratos da vida palestina”, de Aline Baker, e “A eloquência do sangue”, de Rogério Ferrari, que juntas contam mais de 60 imagens sobre a vida do povo palestino nos territórios ocupados por Israel. 

Fotografia

“Retratos da vida palestina” reúne 36 fotografias feitas pela palestino-brasileira Aline Baker em 2008 na região da Cisjordânia, as quais abrangem desde perfis dos seus habitantes até seu cotidiano de trabalho na colheita de azeitonas e de estudos, bem como suas expressões artísticas. Um dia a dia, como as imagens não deixam dúvidas, cercado por dezenas de assentamentos, soldados e postos de controle – atmosfera que contrasta com a beleza das plantações e sob a qual a população local persiste e resiste, inclusive mediante manifestações culturais.

Já “A eloquência do sangue”, do brasileiro Rogério Ferrari, abrange 30 fotografias feitas entre janeiro e abril de 2002 e mostra a realidade nua e crua da Palestina sob ocupação. Também retrata a resistência, sobretudo das pedras contra tanques. Parte das fotos é feita na Cisjordânia, parte em Gaza, o lugar mais densamente povoado do mundo, em que convivem, em seus pouco mais de 300 quilômetros, 1,5 milhão de habitantes, a maioria deslocados internamente de suas casas após a criação do Estado de Israel em 15 de maio de 1948 – para os palestinos, a nakba (catástrofe em português). A esses refugiados e a muitos outros – estima-se que seriam no total 8 milhões, incluindo seus descendentes, em todo o mundo –, são 62 anos de espera por uma solução justa. A iniciativa na Unicamp se encerra na data que marca o início desse imbróglio. Os filmes que serão exibidos no período integram o acervo do ICArabe. Constituem narrativas históricas, assim como também relatam a vida sob ocupação, ou a questão árabe no mundo contemporâneo.

Para a diretora cultural e científica desse Instituto, Soraya Smaili, as exposições retratam “aspectos importantes da vida do povo palestino, o seu cotidiano com toda a delicadeza e o humanismo, mas também com a tenacidade, a coragem e a resistência desses mais de 60 anos de ocupação. Um povo que já teve sua terra e que luta com dignidade por sua vida". A historiadora Arlene Clemesha destaca que, a despeito do olhar diverso, as duas mostram a realidade comum a esses cidadãos, um dia a dia em que não apenas a luta usando pedras na Intifada ante o exército de ocupação, mas também a insistência na colheita de azeitonas são atos de resistência. Na sua visão, a iniciativa dos fotógrafos é a maneira que encontraram de se somar a essa ação, por intermédio da cultura.
O pró-reitor de Extensão e Assuntos Comunitários da Unicamp, Mohamed Habib, conclui que essa universidade, “através do Espaço Cultural Casa do Lago, em parceria com o ICArabe, já vem atuando no tema ‘cultura pela paz’. Nesse sentido, durante o mês de fevereiro, tivemos a mostra e a exposição de fotografias da sociedade israelense. Agora, estamos tratando do povo palestino. Quero me congratular com a instituição e com todo o público que vem compartilhar conosco desses momentos de pluralidade cultural pela paz. Convido a todos”.


Serviço:
 

“Palestina: vida e sangue” – Mostra de filmes e exposições fotográficas

Organização: Instituto da Cultura Árabe e Universidade Estadual de Campinas
Quando: 29 de abril a 14 de maio
Exposições podem ser visitadas das 8h30 às 22h
Sessões cinematográficas diariamente às 16h e às 19h

Onde: Espaço Cultural Casa do Lago (Rua Érico Veríssimo, s/nº, Cidade Universitária Zeferino Vaz, Barão Geraldo, Campinas/SP – ao lado do Parque Ecológico Hermógenes de Freitas Leitão Filho, no campus da Unicamp), telefone (19) 3521-785.1 

 

Sinopses dos filmes

 

A TERRA FALA ÁRABE
(La Terre Parle Arabe)
País: França
Ano: 2007
Direção e roteiro: Maryse Gargour
Produção: Bad Movies
Duração: 61min
Formato: BetaCam, colorido
Legendas: Português (por Isabel Cristina Meleiro e Said Bichara)

No final do século XIX, irrompe no cenário europeu o sionismo, movimento político ainda minoritário entre os judeus. Conforme teorizado por seus líderes, tratava-se do desejo de se criar um Estado judeu em algum lugar do mundo, particularmente na Palestina. O subsequente movimento de imigração em massa de judeus para a região teve efeitos devastadores sobre a população local, que passou a ser progressiva e paulatinamente desenraizada e expulsa da terra. Mais que tentar comprovar um ponto de vista, o filme dá voz a um dos principais historiadores palestinos da atualidade. Trata-se de Nur Masalha, que explica a história de seu país antes da criação do Estado de Israel de maneira clara, ponderada, baseada tanto na vivência de seus antepassados como em arquivos israelenses recentemente abertos. 

 

AL NAKBA (a catástrofe)
(Al Nakba, the Catastrophe)
País: Catar
Ano: 2007
Direção: Rawan Damen
Elenco: Sem elenco (Documentário)
Produção: Aljazeera Network
Duração: 100min (1ª parte)
Formato: BetaCam, colorido
Legendas: Português (por Said Bichara e Felipe Benjamin Francisco)

Produto de um trabalho inédito de pesquisa rigorosa em arquivos ingleses do período do mandato britânico na Palestina (1922-1948), o documentário revela momentos pouco explorados da história palestina, acompanhados de uma reflexão profunda de estudiosos tanto israelenses como palestinos e ingleses. Aborda o período que vai de 1799 a 1947, denunciando o papel do mandato britânico na colonização da Palestina e a preparação da chamada al nakba, a tragédia do povo palestino. Levanta, em última instância, a noção de que o processo de expulsão, desapropriação e desenraizamento da população palestina, iniciado em 1947, continua até os dias de hoje. 

 

ZIGZIGLAND
(Driving to Zigzigland)
País: EUA / Palestina
Ano: 2006
Direção: Nicole Ballivian
Elenco: Bashar Da’ar
Duração: 92min
Formato: DVD, colorido

Crônica bem humorada de um dia na vida de Bashar, ator palestino e taxista em Hollywood. O constante fluxo de passageiros traz histórias de atentados suicidas, Cat Stevens, Bush e a guerra do Iraque, lembranças do teatro Al Kasaba, em Ramallah, Palestina, em meio a sérios problemas com o departamento de imigração e o Homeland Security. Baseado em histórias verídicas. Prêmios de Melhor filme e Melhor Ator Amal Film Festival, Espanha; Prêmio do Público Arabian Sights Film Festival, entre outros.  

 

PORTA DO SOL
(Bab El Chams, La Porte du Soleil)
País: Egito / Palestina / França
Ano: 2006
Direção: Yousry Nasrallah
Elenco: Rim Turki, Orwa Nyrabeya, Hiam Abbass, Bassel Khay y at, Nadira Omran (Om-Hassan), Hala Omran (Chams), Mohtasseb Aref, Hanan El-Haj-Aly, Fady Abou-Samra
Duração: 260 min
Formato: DVD, colorido
Legendas: Português
Baseado no livro homônimo de Elias Khoury

Filme retratado em dois episódios, conta a história de Yunis, um velho palestino da resistência que está em coma em hospital nos arredores de Beirute. Sua trajetória é narrada por Khalil, enfermeiro que fica ao seu lado dia e noite, recusando-se a admitir que seu herói jamais ganhe consciência novamente. Vemos sua infância, seu casamento com Nahila, sua ausência no momento em que sua vila é destruída em 1948. Na segunda parte, Khalil fala de sua própria vida, sobre a guerra civil libanesa. Trata-se de um filme de ficção, mas que tem como pano de fundo a história palestina e mostra, com clareza e beleza, imagens difusas ao longo dos anos de ocupação. Mostra a humanidade e, com delicadeza, o enorme sofrimento de um povo que perde o seu lar e a sua pátria. 

 

FILMES RUINS, ÁRABES MALVADOS. COMO HOLLYWOOD VILIFICOU UM POVO
(Reel Bad Arabs)
País: Estados Unidos
Direção: Sut Jhally
Duração: 60min
Formato: documentário, DVD, colorido
Legendas: Português
Baseado no livro “Reel Bad Arabs”, de Jack Shaheen
Com Dr. Jack Shaheen

Documentário que expõe de maneira detalhada como o cinema de Hollywood, desde o início da sua história até os mais recentes blockbusters, mostrou os árabes de forma distorcida e preconceituosa. O filme tem como apresentador o aclamado autor do livro “Reel Bad Arabs”, Jack Shaheen, professor da Universidade de Illinois e estudioso do assunto. Baseado em longa lista de imagens de filmes, faz uma análise de como os árabes são apresentados como beduínos bandidos, mulheres submissas, homens violentos, sheiks sinistros ou idiotas perdulários, ou ainda como terroristas armados e prestes a explodir pessoas e lugares. Uma maneira brilhante de mostrar, em uma narrativa bem construída, como as imagens contribuíram e contribuem para formar os estereótipos em torno dos árabes, suas origens e sua cultura. Para escrever o livro, o autor analisou mais de 900 filmes, o que possibilitou formar essa contranarrativa, reforçando a necessidade de mostrar a realidade e a riqueza da cultura e da história árabes. O filme foi exibido em diversos festivais nos EUA, Europa e mundo árabe e recebeu o apoio do Comitê Antidiscriminação dos Árabes Americanos. 

 

NÓS E OS OUTROS: UM RETRATO DE EDWARD SAID
(Selves and Others: a portrait of Edward Said)

Ano: 2003
Direção: Emmanuel Hamon
Duração: 54min
Legendas: Português

O renomado intelectual palestino foi retratado pela cineasta francesa Emmanuel Hamon, que passou vários dias em contato com Edward Said e sua família um pouco antes de sua morte, em 2003. Documentário sensível que oferece um olhar especial dos momentos finais da vida desse grande intelectual.  

 

CRIANÇAS DE IBDAA
(Children of Ibdaa)
País: Palestina / EUA
Direção: Sarah Smith Patrick
Ano: 2002
Duração: 30min
Formato: documentário, colorido
Legendas: Português

Ibdaa, que em árabe significa “criar algo do nada”, é a história, de luta e aspirações, de um grupo de dança de crianças palestinas. 

 

A ESPERA
(L’Attente)
País: França / Palestina
Direção: Rashid Masharawi
Elenco: Areen Omari, Mahmoud Al Massad, e Youssef Baroud
Duração: 90min
Formato: colorido, ficção
Legendas: Português

Entre ironia e desalento, uma evocação dos impasses do povo palestino, através de uma viagem caótica e fragmentada, de um diretor em busca de atores para a inauguração do teatro palestino em Gaza. 

 

ESCRITORES NAS FRONTEIRAS
Vários países
Ano: 2004
Direção: Samir Abdallah e José Reynes
Duração: 80min
Formato: DVD, colorido
Legendas: Português

Documentário aborda a viagem de oito escritores do Parlamento Internacional de Escritores (José Saramago, entre outros) que visitam o renomado poeta palestino Mahmud Darwish na Palestina, durante o seu exílio em sua terra.  

 

A ESPERANÇA EM UM TIRO DE ESTILINGUE
Ano: 2008
Direção e produção: Inka Stafrace
Duração: 61min, colorido
Legendas: Português

Instigada pelas crescentes ondas de racismo contra árabes e muçulmanos no seu país de adoção, a Austrália, a cineasta Inka viaja à Cisjordânia para tentar descobrir as razões do conflito permanente naquela região. Aos poucos, ela vai enxergando as raízes da luta desigual, a violência do plantio de árvores por colonos judeus, a humilhação nos checkpoints e principalmente a decisão de resistir mesmo diante de todas as injustiças. Didático e corajoso, o filme mostra como o agricultor palestino vê sua terra roubada sob o governo militar israelense, que também retira dele os direitos básicos de sobrevivência. Esse é apenas um dos inúmeros procedimentos que “Esperança em um tiro de estilingue” retrata para arrancar o véu com que a mídia internacional oculta a brutalidade da ocupação dos territórios palestinos.