Nadadora síria Yusra Mardini é nomeada Embaixadora da Boa Vontade do ACNUR

qui, 27/04/2017 - 23:53
Publicado em:

A atleta assumiu o posto honorário nesta quinta-feira (27), em cerimônia em Genebra, onde falou à imprensa sobre seu compromisso com a causa das vítimas de deslocamento forçado.

A nadadora olímpica e refugiada síria Yusra Mardini, 19 anos, foi nomeada nesta quinta-feira, 19 de abril, Embaixadora da Boa Vontade do ACNUR, a Agência da ONU para os Refugiados, e prometeu trabalhar ainda mais para inspirar os refugiados em todo o mundo.

Desde que foi selecionada para os Jogos Olímpicos Rio 2016, Yusra vem trabalhado junto ao ACNUR e chamando atenção para crise global de refugiados com sua inspiradora participação na primeira equipe olímpica formada por atletas refugiados.

Com sua incrível história de superação, ela se tornou uma poderosa voz para representar pessoas forçadas a se deslocar em todo o mundo e um grande exemplo de resiliência, determinação e inspiração para que as pessoas possam reconstruir suas vidas e contribuir de forma positiva com as comunidades anfitriãs.

Na Assembleia Geral da ONU em setembro de 2016, Yusra defendeu o direito dos refugiados ao acesso a abrigos seguros, educação, meios de subsistência e oportunidades de capacitação.

Em janeiro de 2017, ela representou o ACNUR no Fórum Econômico Mundial em Davos, onde foi a participante mais jovem do evento. Dirigindo-se à uma plateia formada por pessoas de alto perfil ela ressaltou que, como o tempo médio que as pessoas vivem na condição de refugiados é de 17 anos, pessoas refugiadas precisam ter esperança em relação a seu futuro e o de seus filhos, e não viver em um eterno limbo. “Com comida em seus estômagos, refugiados podem sobreviver. Mas somente se suas almas estiverem nutridas é que eles terão condições de prosperar”, ela disse.

No último ano, Yusra também defendeu a causa do refúgio durante encontros com o Papa, o Presidente Obama, assim como membros da realeza, pessoas influentes do mundo dos negócios e outros líderes mundiais.

“Não há razão para termos vergonha de sermos refugiados se lembrarmos quem somos. Continuamos sendo os médicos, engenheiros, advogados, professores que éramos quando vivíamos em nossos países. Ainda somos pais, mães, irmãos e irmãs. Foram as guerras e as perseguições que nos forçaram a deixar tudo para trás em busca de paz. Isso é ser um refugiado. É isso que eu sou. É isso que todos nós somos, uma população cada vez maior que não tem um país. Eu sou uma refugiada e tenho muito orgulho de ser defensora da paz, da decência, da dignidade para todos aqueles que foram forçados a fugir devido à violência. Junte-se a mim, una-se a essa causa”.

Ao dar as boas-vindas a Yusra Mardini como Embaixadora da Boa Vontade do ACNUR, Filippo Grandi disse: “Yusra é uma jovem profundamente inspiradora. Por meio de sua poderosa história, Yusra representa as esperanças, os medos, e o incrível potencial de mais de dez milhões de jovens refugiados ao redor do mundo”, ele disse.

O presidente do COI, Thomas Bach, afirmou: “A participação de Yusra e seus colegas da equipe olímpica de atletas refugiados nos Jogos Rio 2016 enviou a mensagem de esperança para todos os refugiados do mundo. Eles demonstraram ao público geral que os refugiados são seres humanos que enriquecem a sociedade. Eu espero que ao desempenhar seu papel como Embaixadora da Boa Vontade do ACNUR, Yusra continue inspirando refugiados e nos lembrando que todos podem continuar contribuindo com a sociedade por meio de seus talentos, habilidades e força do espírito humano”.

Ao aceitar o título de Embaixadora da Boa Vontade do ACNUR, Yusra disse: “Estou muito feliz em poder me unir ao ACNUR e muito ansiosa para continuar disseminando a mensagem de que os refugiados são pessoas comuns vivendo circunstâncias devastadoras e traumáticas, e que são capazes de coisas extraordinárias se tiverem oportunidades. A Agência da ONU para Refugiados realiza um incrível trabalho com os refugiados sob circunstâncias realmente desafiadoras e eu estou orgulhosa em poder usar minha voz para apoiar o ACNUR”.