ICArabe e Câmara de Comércio Árabe-Brasileira promovem webinar sobre jejum em tempos de coronavírus

sex, 15/05/2020 - 22:34

Evento online foi realizado nesta sexta (15), com apoio da Federação das Associações Muçulmanas do Brasil – Fambras

O Instituto da Cultura Árabe - ICArabe, em parceria com a Câmara de Comércio Árabe-Brasileira e apoio da Federação das Associações Muçulmanas do Brasil – Fambras, promoveu nesta sexta-feira, dia 15 de maio, um webinar sobre jejum em tempos de coronavírus. 

O evento online contou com o tema “Os benefícios do jejum intermitente sobre o sistema imunológico e a saúde”. O assunto foi apresentado pelo professor Rubens Hannun, presidente da Câmara Árabe, contou com uma palestra do oncologista Dr. Riad Younes e da reitora da Unifesp e fundadora do ICArabe, Soraya Smaili.

3O oncologista começou a apresentação relembrando que, apesar da pandemia de Covid-19, estamos no mês sagrado do Ramadan, ou seja, tempo para a realização do jejum. Neste período, fica-se de 13 a 18 horas sem comer, beber ou fumar, do nascer ao pôr do sol.

Assim, Dr. Riad Younes falou sobre os cuidados que devem ser tomados ao jejuar nesta época e ainda afirmou que a prática traz benefícios para a saúde. De acordo com o oncologista, o jejum intermitente é um grande aliado no combate à obesidade.

O Dr. Riad Younes também explicou que o modelo de jejum mais adotado é com ingestão apenas de água e bebidas sem açúcar. Entretanto, o oncologista alerta que jejuar não é para todos, não sendo recomendado para diabéticos, maiores de 70 ou menores de 16 anos, grávidas, pessoas com doença cardíaca ou renal crônica, anoréxicos, bulímicos e pessoas recentemente hospitalizadas.

Benefícios para o sistema imunológico

A fundadora do ICArabe, Soraya Smaili, por sua vez, detalhou os benefícios do jejum intermitente sobre o sistema imunológico e para a saúde, o que é essencial neste período de pandemia.

“Tivemos uma série de evidências e reportagens falando que o jejum intermitente poderia trazer benefícios para as células, renovando e protegendo-as, promovendo a saúde em diversos sistemas celulares e do nosso organismo”, avaliou. A tese apresentada é do ganhador do Nobel de Medicina, Yoshinori Ohsumi.

5Soraya também ressaltou que o Islã contribuiu para o desenvolvimento da ciência, criação de bibliotecas, traduções de textos antigos estimulados pelos Califas Al-Mansur e Al Mahdi, além de apoio aos estudiosos, filósofos e médicos. Estes fatores, portanto, foram essenciais para chegar aos conhecimentos compartilhados nesta sexta-feira, na visão da reitora.

Assim, Soraya afirma que o jejum intermitente pode ser uma ferramenta importante para fortalecer a saúde neste período. “Em época de coronavírus, como não temos ainda tratamento ou vacina, temos que contribuir para sermos indivíduos mais saudáveis, apoiar a ciência e o sistema de saúde, contribuir para o distanciamento social e atuar solidariamente com nossa sociedade”, disse.

Para finalizar, o professor Rubens Hannun reforçou os agradecimentos em nome da Câmara Árabe. “Agradeço ao Jafet, à Silvia, nossa diretora cultural que fez esses contatos, à doutura Soraya e ao doutor Riad. Aprendemos demais e vamos continuar porque sem dúvida a contribuição é maravilhosa”, destacou.

O webinar está disponível neste link.

Por Jéssica Marques/Foco 21 Comunicação